Cinema #18



Houve uma altura em que li muitos romances do Nicholas Sparks, se calhar quase todos. Muitos podem dizer que é literartura de casa-de-banho ou cor-de-rosa. E eu dou-lhes razão em parte.
É verdade que são romances dirigidos ao público feminino, que as histórias são todas no mesmo molde e que é literatura light. 
Acho eu que a pessoa quando escolhe um livro para ler, lê pelo menos a sinopse ou informa-se sonre o tipo de histórias que o escritor escreve. Não vai enganada. 
Isto tudo para dizer que se a pessoa escolhe ler livros do Nicholas Sparks ou ver filmes baseados nas suas histórias sabe ao que vai e é esse mesmo o objectivo. O de espairecer, o de esquecer por uns momentos os problemas ou as situações menos boas da vida. Não se deve criticar, como eu já ouvi e vi fazer muitas pessoas, que na minha opinião, depois se vem a saber que têm a coleccção do Nicholas Sparks "refundida" numa estante lá em casa.

Ora bem, mas indo ao ponto que me trouxe aqui que foi este último filme que vi baseado numa das histórias do nosso amigo Nicholas.
Já vi alguns filmes baseados em histórias dele, estou agora a lembrar-me do primeiro filme que vi que foi baseado na obra mais famosa dela "O Diário da Nossa Paixão" e que (aqui que ninguém nos lê) chorei baba e ranho, e que foi interpretado e muito bem pelo meu fofíssimo Ryan Gosling e pela querida Rachel McAdams.
Foi de entre os tantos filmes que ele já tem baseados nas suas histórias, o mais bem conseguido, na minha opinião claro!

Este último filme, que é interpretado pela Julianne Hough e pelo Josh Duhamel ( e eu tenho um fraquinho pelo Josh), não foi mesmo nada de especial. História sem substância, interpretações muito fraquinhos dos actores principais, acho que o problema é que eu, enquanto telespectadora, não senti ali qualquer tipo de emoção, sofrimento, medo, angústia, paixão, amor. Foi tudo ali muito pela rama, muito superficial.
E cheguei ao fim do filme completamente desiludida e a pensar "Foi isto?"


Não recomendado!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Pestanas

Revelação